Falso Black Friday engana usuários de redes sociais

Por Mateus Bunde

O Black Friday é um evento que ocorre todo ano com grandes promoções por parte das macro e micro lojas em seus sites. Esse ano, a sexta-feira de descontos ocorrerá no dia 28 de novembro. Conhecido como o dia mundial dos descontos, a proposta é a redução no preço de artigos eletrônicos, móveis, eletrodomésticos, roupas e etc. Enfim, quase tudo é posto a venda com descontos que chegam a beirar os 90% do preço habitual.

Através dessas super promoções, pessoas se aproveitam da data para aplicar golpes nos usuários de redes sociais que compartilham as promoções. O exemplo mais recente é o instagram, que contaminou diversos perfis com promoções absurdas como “Siga-nos, compartilhe a página e marque a tag da loja e ganhe R$ 500 em vale-compras no Black Friday”. Promoções absurdas que, a primeira instância, pareciam apenas jogadas de marketing da loja para propagar a marca e os super descontos do dia.

Imagem de captura de tela.

Imagem de captura de tela.

Como o dia dos super descontos se aproxima, diversos perfis falsos de lojas se aproveitaram para ludibriar os usuários a compartilhar a ideia de uma promoção incabível pelas grandes marcas. Entre tais empresas com falsos perfis criados estão a Apple, MAC, Saraiva, Ali Express BR e entre outras.

Criação do selo ‘Black Friday Legal’ identifica falsas promoções pela internet

Para combater as fraudes, a Black Friday criou o selo ‘Black Friday Legal’ que identificará qual promoção é falsa e qual é válida. O intuito da iniciativa é o zelo do consumidor que acaba não sabendo se o desconto é realmente de verdade ou apenas um simples golpe da internet. O selo estreou ano passado para abater os falsos anúncios de redução de preços quando, na verdade, o valor não havia sido reduzido. Segundo as regras, a empresa que fraudar valores poderá ser expulsa da edição do ano seguinte.

Em 2013, foram 124 lojas cadastradas que assinaram o código de ética da Black Friday Brasil. A expectativa é de uma adoção maior de empresas a se cadastrarem no código em 2014. Para a inscrição no código de ética, basta o lojista interessado solicitar uma inspeção da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, que verifica possíveis irregularidades na empresa, incluindo validade do CNPJ, telefones, endereço e preços dos artigos.

Até o fechamento da matéria, não houve uma atualização do número de lojas cadastradas que assinaram o código de ética, nem mesmo o motivo da criação de perfis falsos com o intuito de burlar o Black Friday. A única empresa que se pronunciou oficialmente sobre as absurdas promoções foi a loja Centauro através de sua página no facebook, divulgando seus perfis verdadeiros nas redes sociais, desmascarando, assim, o golpe.